Blog Super

Da simplicidade da infância

— Por Michelle Ferraz

Crianças

Bate um aperto no peito… Vontade de voltar no tempo e viver os encantos da infância.

Pois quando se é criança, a raiva não dura muito tempo…
A mágoa, daqui a pouquinho, não existe mais… E a gente anda de mãos dadas de novo.

Quando se é criança, o riso rola fácil e sincero… Existe brilho nos olhos.
Não há nenhum obstáculo grande demais para impedir os sonhos de se tornarem realidade.

“Quando crescer, vou ser…”, imagina o pequeno.

Quando se é criança, coisas ruins são coisas ruins, e coisas boas são coisas boas. Há um discernimento inocente e coerente que mantém a gente afastado do que não faz bem.

O roteiro é recheado de grandes aventuras… Correr vira sinônimo de uma fantástica caça ao tesouro e gritar equivale a chamar para o combate. Dá pra ser mocinho, dá pra ser bandido… E ninguém se torna mau por isso.

Quando se é criança, palavras feias são apenas novas palavras…
O desconhecido não recebe julgamentos… Em vez disso, precisa ser explorado.
E tudo é simples.

Então, a gente cresce.

Deixa o pequeno mal-entendido gerar um ódio que dura a vida toda.
Força sorrisos falsos ou nem isso… Simplesmente tranca os lábios.
Deixa de acreditar nos sonhos… E para de lutar.

Faz coisas ruins sabendo que são ruins. E esquece, sempre que conveniente, das coisas do bem.
Diz palavras feias desejando que tivessem um significado muito pior.
Julga antes de conhecer… E pensa saber o suficiente para condenar.

E complicamos muita coisa.

—–
—–

Jornalista Michelle FerrazMichelle Ferraz é jornalista e editora de WEB na REDE SUPER
michelle.ferraz@redesuper.com.br
@michelleferraz_

 

Please log in to vote

You need to log in to vote. If you already had an account, you may log in here

Alternatively, if you do not have an account yet you can create one here.