A soberania de Deus e a responsabilidade humana

Por André Araújo*

Soberania de DeusEste assunto pode ser difícil de encarar. Acredito que se muitas pessoas tivessem um determinado conhecimento bíblico, chegariam a ter um momento de dúvida acerca do amor e, consequentemente, da soberania de Deus. Não é à toa que muitos recorrem a certas cosmovisões que buscam encontrar desculpas para fugirem da verdade das Escrituras.

E dizia: Por isso eu vos disse que ninguém pode vir a mim, se por meu Pai não lhe for concedido.
Desde então muitos dos seus discípulos tornaram para trás, e já não andavam com ele.
– João 6:65-66

Se você, leitor, nunca sentiu um incômodo ao ler o capítulo nono da carta de Paulo aos Romanos… creio que possa não ter prestado muita atenção no que leu. Nesse capítulo, encontramos versos como:

Logo, pois, compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer.
Dir-me-ás então: Por que se queixa ele ainda? Porquanto, quem tem resistido à sua vontade?
– Romanos 9:18-19

Na sequência desse trecho, quando pensamos que encontraremos uma esclarecedora resposta acerca do duro discurso de Paulo, o próprio apóstolo responde:

Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?
Ou não tem o oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para honra e outro para desonra?
E que direis se Deus, querendo mostrar a sua ira, e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira, preparados para a perdição […]
Romanos 9:20-22

Por mais difícil que lhe possa ser conseguir compreender tamanho discurso, é fundamental reconhecermos neste momento – e em muitos outros – a nossa pequenez, a nossa incapacidade de fazer uma leitura completa dos pensamentos de Deus. Como diz a Palavra:

Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor.
Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.
– Isaías 55:8-9

A Bíblia está repleta de versos como esses. Deus é soberano. Em outras palavras, Deus é Deus! Embora muitos tentem destroná-lo para que reine o “nosso livre-arbítrio”, ao invés da vontade do Criador dos céus e da Terra, a Palavra deixa as coisas bem claras acerca da soberania do Senhor. Ele age como Lhe apraz, somente como Lhe apraz, sempre como Lhe apraz. Ninguém consegue frustrá-lo, nem impedi-Lo.

Que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade.
– Isaías 46:10

Se Deus é tão soberano… onde entra a nossa responsabilidade?

Para responder a essa pergunta, preciso reforçar dois pontos fundamentais:

O primeiro:

Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia.
E quão preciosos me são, ó Deus, os teus pensamentos! Quão grandes são as somas deles!
Se as contasse, seriam em maior número do que a areia; quando acordo ainda estou contigo.
– Salmos 139:16-18

“E no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia”. Para os que não conseguem ser capazes de aceitar a soberania do Rei dos Reis, cito, novamente, a própria resposta de Paulo: “Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?” (Romanos 9:20)

A Bíblia não nos explica como são os juízos e as janelas da mente do Criador. Entretanto, para os que nEle confiam, podemos descansar na certeza de que Ele tem o melhor pra nós:

E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.
– Romanos 8:28

E o segundo ponto é este:

Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!
Por que quem compreendeu a mente do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro?
– Romanos 11:33-34

Deus faz o que quer. A justiça dele está em tudo. Somos incapazes de olhar para as ações dEle e dizer: “Deixe-me analisar se Deus está sendo justo ou injusto”. Quem somos nós para fazermos essa pergunta? “Deus é justo em todos os seus caminhos” (Salmo 145:17). “O caminho de Deus é perfeito; a palavra do Senhor é provada; é um escudo para todos os que nele confiam” (Salmos 18:30). Para o nosso refrigério, podemos repousar na certeza de que Deus é justo, mesmo que, por nossa mente, existam diversos momentos em que não o compreendamos. E dessa mesma forma, devemos confiar no nosso Pai celeste nos arrependendo de nossos pecados e pedindo a Ele que purifique nosso coração:

Tenha já fim a malícia dos ímpios; mas estabeleça-se o justo; pois tu, ó justo Deus, provas os corações e os rins.
O meu escudo é de Deus, que salva os retos de coração.
Deus é juiz justo, um Deus que se ira todos os dias.
Se o homem não se converter, Deus afiará a sua espada; já tem armado o seu arco, e está aparelhado.
– Salmos 7:9-12

Deus é plenamente soberano e somos completamente responsáveis por nossos atos. O trecho a seguir resume muito bem isso:

Mas eis que a mão do que me trai está comigo à mesa.
E, na verdade, o Filho do homem vai segundo o que está determinado; mas ai daquele homem por quem é traído!
Lucas 22:21-22

Sendo as coisas assim… qual é a condenação para os não justificados? A Palavra nos responde, dizendo:

E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más.
– João 3:19

Deus é soberano, mas a responsabilidade humana não foi anulada por isso. Os não-salvos são plenamente responsáveis por seus atos:

Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se veem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis.
– Romanos 1:20

Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.
Por isso Deus os abandonou às paixões infames.
– Romanos 1:25-26

Amados, por mais que nos seja difícil sequer tentar compreender certas coisas, devemos SEMPRE confiar no Senhor. Aí é que entra a fé. A Palavra está dada, os versos já foram construídos e as afirmações de Deus estão presentes nas Escrituras. Se Ele não quis entrar em detalhes e não quis nos dar explicações sobre certas questões, foi porque assim Lhe aprouve. E para essas e outras reflexões, que nos lembremos de que “aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor” (1 João 4:8); que “todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Romanos 8:28); e de que “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).

Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos.
Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados.
– 1 João 4:9-10

Oh, Jesus, Teu sangue nos têm lavado e por Tua graça fomos perdoados. Obrigado por ter-nos amado, mesmo estando nós mortos em ofensas e pecados.

Aba Pai.

André Araújo*André Araújo é colaborador do portal redesuper.com.br
andre.cavalcante.1@gmail.com


1 Comentário

  1. Clara Rosa

    Não cumprir o propósito de Deus implica em perda da salvação?

 

Please log in to vote

You need to log in to vote. If you already had an account, you may log in here

Alternatively, if you do not have an account yet you can create one here.