No dia da minha angústia

“SENHOR, ouve a minha oração, e chegue a ti o meu clamor.

Não escondas de mim o teu rosto no dia da minha angústia, inclina para mim os teus ouvidos; no dia em que eu clamar, ouve-me depressa.

Porque os meus dias se consomem como a fumaça, e os meus ossos ardem como lenha.

O meu coração está ferido e seco como a erva, por isso me esqueço de comer o meu pão.

Por causa da voz do meu gemido os meus ossos se apegam à minha pele.

Sou semelhante ao pelicano no deserto; sou como um mocho nas solidões.

Vigio, sou como o pardal solitário no telhado”.

(Salmo 102: 1 – 7)

Assista mensagem do pastor Márcio Valadão: