Blog Super

Perseguição religiosa: até 120 mil pessoas estão presas em campos de trabalho forçado, na Coreia do Norte

Por Letícia Polito
Com informações do portal Guiame.com 

De acordo com o Departamento de Estado dos EUA, entre 80 e 120 mil pessoas estão presas em campos de trabalho forçado, na Coreia do Norte, sendo a maioria por causa da fé cristã. Esses locais são conhecidos como ‘gulags norte-coreanos’. Os fugitivos, por sua vez, relatam e compartilham com outras pessoas os horrores da tortura, do abuso e da escravidão que sofreram nos “campos de reeducação”, como gosta de chamar o ditador Kim Jong Un.

Os Estados Unidos divulgaram um relatório, referente a 2017, sobre liberdade religiosa internacional. Com base em dados contidos neste relatório, “o governo (norte-coreano) continuou a lidar duramente com aqueles que se envolveram em quase todas as práticas religiosas através de execuções, tortura, espancamento e prisões”.

Ainda de acordo com o relatório, uma cristã que foi libertada após oito anos de prisão por frequentar uma igreja chinesa, disse a uma ONG norte-americana que foi acusada de “praticar o cristianismo”. Ela ainda disse que outras seis mulheres, que também estavam presas, foram espancadas até a morte ou morreram em situação crítica por não receberem auxílio, como alimentos, remédios e atendimentos médicos.

Veja também:
• REDE SUPER transmite Conferência do Espírito Santo 2018
• Paulo, apóstolo de Cristo: uma das melhores adaptações bíblicas

Além disso, o relatório aponta que cristãos são considerados “degraus mais baixos do sistema songun”, que classifica as pessoas com base na classe social, pois são vistos como um meio de invasão.

Há 16 anos que a Coreia do Norte é a primeira da Lista Mundial da Perseguição, da Missão Portas Abertas. De acordo com a organização, “cristãos enfrentam níveis de pressão extremos em todas as áreas da vida, combinados com alto grau de violência”, revela.

“Na nação mais fechada do mundo, o cristianismo é visto como ocidental e hostil e se espera que os cidadãos adorem somente a família Kim, que governa o país desde sua fundação, em 1948. Por esse motivo, cristãos escondem a fé até mesmo da própria família temendo ser presos e enviados para campos de trabalhos forçados. O exercício da fé cristã em comunidade também é afetado, já que igrejas não podem existir, e reunir-se com outros cristãos é uma atividade perigosa, bem como ler a Bíblia ou expressar a fé cristã de qualquer maneira”, conta a Missão Portas Abertas.

1 comentário

  1. Rosemary Stabullo disse:

    Precisamos entrar em profunda, oração, intercessão,por esse ministro,e que Deus tenha misericórdia daqueles que professam o nome de Jesus Cristo, que Jesus Cristo cuide, guarde aqueles que agora amam a fé, estaremos em oração por esses Países fechados,.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Please log in to vote

You need to log in to vote. If you already had an account, you may log in here

Alternatively, if you do not have an account yet you can create one here.