[Indonésia] Igreja é atacada e pastor ameaçado de morte

Bandeira da Indonésia“A polícia somente assistia a tudo, sem nada fazer, enquanto a multidão atacava a Igreja Protestante Batak Filadélfia, em Bekasi, próximo a Jacarta, na província de Java Ocidental, na quinta-feira, 17 de maio”, disse Saor Siagian, advogado da igreja, ao Compass.

Segundo Siagian, uma multidão, em que estava presente o presidente do grupo extremista islâmico Frente dos Defensores Islâmicos (FPI), reuniu-se em frente ao local onde aconteceria o culto para jogar urina, água suja, ovos podres, pedras e dejetos em todos os cristãos no momento em que o pastor Palti Panjaitan começou a falar para a congregação. O pastor Panjaitan disse à imprensa local que havia recebido uma ameaça de morte e registrou queixa na polícia.

O advogado disse que autoridades pediram aos fiéis que se reunissem em outro local, cerca de seis quilômetros de onde a igreja está localizada atualmente. Há cinco anos, a igreja solicitou uma autorização, conforme estipulado pela lei, para construir o local de culto. O governo local negou o pedido em dezembro de 2009, mas o Supremo Tribunal anulou a decisão do governo em julho de 2011, alegando que a igreja merecia receber a autorização. Porém, devido à pressão de grupos islamicos, as reuniões deveriam acontecer em outro lugar.

Assim como a Igreja Protestante Batak, a Igreja Indonésia Gereja Kristen (GKI- Igreja Yasmin) também teve a permissão para realizar cultos na própria propriedade negada, apesar de uma decisão favorável da Suprema Corte. A Igreja Protestante da União Europeia (conhecida localmente como IGP) tem pressionado o governo para que medidas legais sejam tomadas.

“O problema é que a polícia e o governo não são rigorosos”, disse Sumampow Jeirry, da IGP, ao jornal The Jakarta Globe. “Nós não temos certeza de nada agora. Nós não sabemos quem irá nos apoiar”.

A organização muçulmana mais influente da Indonésia, Muhammadiyah, também criticou o governo. “Por lei, o governo tem o dever de oferecer segurança e proteção a qualquer cidadão, independentemente da religião, que se sinta privado de suas práticas religiosas ou se sinta ameaçado de exercê-las, e isso inclui a construção de lugares de culto”, disse Abdul Mufti, secretário do grupo.

Nusron Wahid, presidente da GP Ansor, ala jovem da maior organização muçulmana do país, ofereceu-se para negociar entre a igreja e seus opositores. Neneng Hasanah Yasin, o novo chefe do distrito de Bekasi, no entanto, parece seguir a política do ex-chefe, de proibir a igreja de construir um local de culto. A Comissão Asiática de Direitos Humanos exortou o novo chefe, que assumiu o cargo em 14 de maio, para que “tome medidas que estejam de acordo com a lei e com os princípios dos direitos humanos”.

De acordo com a Operação Mundo, a Indonésia tem cerca de 186,7 milhões de pessoas, das quais 80,3% são muçulmanas. É considerado o maior país muçulmano do mundo, de maioria sunita. No país, existem cerca de 36 milhões de cristãos, que compõem cerca de 15,9% da população.

Em 2011, o IGP registrou 54 atos de violência e outras violações contra os cristãos. Outras minorias religiosas também são perseguidas.

_____
_____

Fonte: Compass Direct
Tradução: Marcelo Peixoto
Extraído de: Portas Abertas
Adaptação: Redação REDE SUPER


2 Comentários

  1. helaine florentino de moraes

    É necessário as nossa oração , Deus nos dara a vitória

  2. Meiryele Ferreira

    Vamos interceder pelos nossos irmãos na fé…eles precisam de nós! das nossas orações!

 

Please log in to vote

You need to log in to vote. If you already had an account, you may log in here

Alternatively, if you do not have an account yet you can create one here.