“Eu uso a música para passar a experiência divina que eu vivi”, lembra cantor que pensou em tirar própria vida

Giesley Mota nasceu em Itabira (MG), na infância, sua família mudou para Belo Horizonte (MG) em busca de uma vida melhor. Aos sete anos de idade, para ajudar no sustento de sua família, em meio às dificuldades financeiras, Giesley já trabalhava como vendedor ambulante nas ruas da capital de Minas Gerais. Crescendo em lar conturbado, marcado por brigas constantes, em sua adolescência, ele pensou em uma solução definitiva para a questão: tirar a própria vida. Prestes a cometer suicídio, quando se jogaria embaixo de um ônibus na avenida Cristiano Machado, em BH, alguém veio ao seu encontro e lhe falou sobre Jesus e como a fé em Deus poderia mudar sua vida. Daquele momento em diante, ele nunca mais foi o mesmo. Surgiram inspirações para ele escrever canções e influenciar pessoas a encontrar os caminhos do Senhor.

Veja também:
• Em culto da Lagoinha, homem é tocado pela Palavra de Deus e abandona mundo das drogas
• Das ruas para a Igreja: conheça a história do vice-presidente da Casa de Ajuda

Mais uma vez a vida lhe colocou um obstáculo na frente, com o diagnostico médico de que precisaria parar de cantar por questão de calos e fendas nas cordas vocais. A orientação médica era que ele parasse definitivo de cantar, pois esses calos poderiam se transformar em um câncer. Em oração e jejum, ele foi curado por Deus, e, milagrosamente, foi capaz de prosseguir, e conseguiu então gravar e lançar o CD intitulado “Meu Sonho”. Posteriormente, Giesley lançou seu segundo CD “Guarda a Minha Casa”, e com esses dois álbuns, mesmo sendo um artista independente, ele alcançou a marca de mais de 100 mil cópias vendidas, recebendo assim disco duplo de ouro.

Assista ao testemunho: